quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Coleção Pedagogia Social



  • Dia 12 de agosto de 2010
    horário: das 13h30 às 17h30
    Local: Casa do Lago/Unicamp

  • PROGRAMAÇÃO

    Abertura

    Mesa de reflexão sobre Educação Social

    - Profa. Elisabet Rossin, Educadora Social/CEDAP

    - Prof. Msc. Edison C. Lins, Coordenador GGBS/Unicamp

    - Prof. Dr. Graciliano de Oliveira Neto, Diretor FUMEC/SME/Prefeitura de Campinas.

    - Prof. Dr. Roberto da Silva, Fac. Educação/USP.

    -
    Profª Regina Vazquez Del Rio Jantke, Pró-reitora de Extensão e Ação Comunitária - Unisal

    - Roberta dos Reis Mantovani, Gerente de Educação e Cidadania, EMDEC - Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas S/A

    - Coord. Mesa: Prof. Msc. Francisco Evangelista, Supervisor pós-graduação em Educação/Unisal

    Lançamento do livro “Desafios e Perspectivas da Educação Social: um mosaico em construção"

  • Expressão e Arte Editora.
    e-mail: expressaoearte@terra.com.br

  • Organizadores: Noêmia de Carvalho Garrido, Odair Marques da Silva, Izalto Júnior, Conceição Matos, Gabriel L. Santiago.

Seminário


O Livro e os autores nos presenteiam com os temas:


1 - Historicidades da Educação Social e seus Desafios

2 - A Educação Social no Contexto Formal

3 - A Educação Social na Instituição Não Formal

4 - Relatos de Experiências e Formação do Educando em Educação Social





sábado, 7 de agosto de 2010

Emprego em alta na Educação

Empregabilidade no segmento da escola particular brasileira e, principalmente no estado de São Paulo, apresenta desempenho auspicioso, segundo pesquisas tanto da Fundação Getúlio Vargas como do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Matéria publicada pelo Jornal da Tarde e transcrita pelo Jornal da Escola Particular, mostra que a área educacional contratou 5,05% mais profissionais com carteira assinada em 2009 do que no ano de 2008 na região metropolitana de São Paulo. É o único setor que apresentou aumento no saldo de pessoas contratadas de janeiro a setembro na comparação entre os dois anos.Todos os outros segmentos apresentaram números de novas vagas de trabalho inferior. A Educação, foram abertas mais de 15 mil vagas no período de 2008. E em 2009, mais de 16 mil novas ocupaçõe profissionais.

Por outro lado, estudo encomendado pela Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) à
Fundação Getulio Vargas, mostra que o setor educacional responde por 1,27% do total de ocupações na economia brasileira, cerca de um milhão e 200 mil trabalhadores, o que representa participação mais significativa do que a maioria das atividades industriais, incluída a cadeia automotiva. O capital humano empregado também sobressai perante outros segmentos, pois a escolaridade média dos profissionais que atuam no setor é de 12,6 anos de estudo, bem acima dos 7,7 anos correspondentes à totalidade da força de trabalho.

Mas, com todos esses dados favoráveis, que mostram a força e a Jornal da Escola Particular colaboração da e cola particular para o engrandecimento do país, não contamos com a boa vontade dos dirigentes governamentais, pois somos agravados com uma excessiva carga tributária.

O estudo da FGV demonstra ainda que os impostos que incidem sobre os estabelecimentos privados são exorbitantes. atingindo, incluindo pagamento de salário e contribuições sociais, a proporção máxima de 46,33%, mais de três vezes a média geral.

Entretanto, é um segmento caracterizado pelo elevado grau de formalização das relações entre empregados e empregadores, registrando 82.2C7c do total de contratos com carteira assinada, contra 40, 1% do total da força de trabalho brasileira. E mais, o salário médio do setor educacional privado era, em abril de 2007, 70,2% superior ao rendimento médio dos demais ocupados no país.

Na realidade, esses dados favoráveis acompanham o crescimento do número de alunos no ensino particular. Pesquisa do próprio Inep comprova que, de 2006 a 2008, o total de alunos da rede privada cresceu 25% e isso demanda mais profissionais, não só professores como também das áreas administrativa, de manutenção, etc. Essa situação auspiciosa obriga maior qualificação do quadro de funcionários das escolas particulares e é exatamente essa a preocupação da nossa entidade, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo.

Recebemos anualmente aproximadamente 40 mil educadores em nossos cursos de atualização e qualificação profissional, tanto da escola particular como da escola pública, colaborando assim com a melhoria da qualidade do ensino no país.

Matéria de Benjamin Ribeiro da Silva - presidente do Sieeesp - publicada na Revista ESCOLA PARTICULAR, ANO 12, Nº 140 - NOVEMBRO DE 2009.